Shaman Águas Corrompidas – Guia de deck – Padrão

 E aí invasores seus lindos, como vocês estão? Eu espero que muito bem!  Acabou nossa ansiedade e chegamos com tudo na feira itinerante tão aguardada. Delírios em Negraluna trouxe com ela uma emoção diferente nas partidas com decks interessantíssimos e cheios de potencial.

Hoje vou falar do primeiro deck de que testei, um deck de Xamã guiado pelo deus Y’Shaarj, o Profanador é um deck bem interessante que já usa muito da nova palavra-chave CORROMPER!

Então sem mais delongas vamos ao deck!

Estratégia Geral:

Podemos dizer que a estratégia aqui vai além de sair gritando louco apesar de contar com os gritos de guerra como base de estratégia posso dizer que por ele ter uma dinâmica mais voltada para “aguardar os momentos certos” acredito que esse deck tem por estratégia também você saber esperar, ir controlando a mesa e ai depois é só administrar a ordem correta que ele exige para que o deck funcione perfeitamente.

Parece trabalhoso, mas depois que pega o jeito você vai embora…

Nesta primeira fase procure usar mais as compras de cards com a Engenheira Novata ou até PantharaManáfago, adicionar servos a mão com o Salivante Lodoso ou Rato Cabeador da MAL (mas não use tudo de uma vez para poder ter mais recursos após completar a missão) e só com isso você já estará pronto para próxima fase do plano.

Os Plus do deck:

Aqui sempre rola treta né? Porque enfim, temos Galakrond, a Tormenta que em sua última evocação faz aquele estrago. Mas ai também neste deck temos o General Celeste Kragg que por seis de mana tem o seu grito ativado duas vezes nos ajudando muito a nos livrar de uma lacaio alto por exemplo e é outro plus que adoro.

Mas o negócio aqui é a nova coleção né?Temos aqui Socorrista do Circo (lacaio) pode salvar sua vida restaurando quatro dela ou se já tiver sido corrompida pode remover um lacaio grande, ou ainda pode vencer a partida causando oito de dano no herói inimigo (oito por conta do poder heroico da missão) isso é muito show.

Tanque de Mergulho (feitiço) também entra nessa uma vez que já causa um dano legal estado em seu estado normal, agora se corrompida é um limpa mesa muito bom e se não limpar pelo menos vai te auxiliar bem na limpeza pois ela também causa danos a todos os outros lacaios, e olha que coisa os primeiro quatro de dano pode ser no herói inimigo (me lembra patada de Druida, após ser corrompida).

E aí porque é claro que um deus jamais vai ficar de fora de um plus, temos o próprio Y’Shaarj, o Profanador que tem como grito de guerra devolver os cards CORROMPIDOS (só devolverá se o card foi corrompido okay?) a sua mão e eles custarão zero de mana.

Agora entenda por que lá na estratégia eu falei sobre esperar o momento certo:

Okay, respira fundo, e vamos lá!

Por dez de mana vamos ter um lacaio 10/10 em campo mais dois lacaios que causam 4 de dano e dois feitiços com dano em herói e/ou área certo? Bom nem tanto, pois se você usar certinho a estratégia isso aí pode virar algo realmente INSANO.

No turno anterior de invocar o Y’Shaarj, o Profanador (já com a missão Corrupção das Águas concluída) use uma Visita Guiada, pois ai ao invés de ter de volta dois de cada card corrompido você terá quatro de cada custando ZERO o que provavelmente fará você ganhar o jogo.

MEUY’Shaarj!!! Essa jogada é muito boa e vale muito a pena!

Enfrentando as outras classes:

Esse deck segura bem o tranco por vir em “fases de uso” vamos dizer assim, então até contra decks mais chatinhos eu consegui me sair bem. Só não enfrentei Paladino e Ladino ainda com ele. E em uma escala de jogos que fiz ganhei mais do que perdi e sempre com aquele controle que curto demais nas partidas, então é um deck pra pegar afinidade e fazer acontecer.

Vantagens:

A maior vantagem dele pra mim foi a progressão de uso das cartas (do começo ao fim) não ficando um só turno sem ter o que fazer ou sem resposta para o oponente, sempre tendo os lacaios com rapidez por conta das invocações por exemplo; e cá entre nós isso é bastante vantagem.

Desvantagens:

O fôlego, ao mesmo tempo que amo deck que controla,para mim o perigo mora em não saber lidar com esse controle. Mas como disse é questão de afinidade com o deck para você pegar o time certo para cada momento.

Mulligan:

“A missão vai vir sempre na mão, deixa ela pra usar mais tarde uma vez que dá pra cumprir ela rapidinho.”

Dito isso as melhores cartas pra se ter na mão são as de compra de cards, pois isso já vai abrindo o espaço pra você organizar suas jogadas, Engenheira Novata, PantharaManáfago, e o Salivante Lodoso pra te dar um servo.

Isso tudo estará abrindo caminho pra você usar Escudo de Galakrond e Elementalista Corrompida mais pra frente para dar sequencia ao ataque.

Observação:

Dá pra fazer também usando a missão primeiro se você quiser, mas quando jogar o Galakrond você perde o poder heroico ai ficará mais restrito o poder do deus Y’Shaarj, o Profanador. Eu testei das duas formas e funcionou, mas a mágica fica ainda melhor se fizer o Galakrond primeiro e depois a missão.

Conclusão:

Um deck apaixonante (não achei que ia gostar tanto) e o uso do deus deixa a emoção lá em cima!

Se prepare para partidas intensas com esse deck!

Um grande abraço!

Rainha de Sangue Lana’Thel

AAECAdD6AwbhqAPjtAPztwPTwAOczgP83gMMnAK0kQPGmQO7pQPPpQO5rQP+rgObzQP7zgPw1AOz3AOn3gMA
Facebook Comments Box

Adna Vasconcelos

Meu nome é Adna, 32 anos cursei faculdade de tradutor e intérprete, professora de inglês, atualmente trabalho como autonoma. Jogo desde 2015 e jogo muito por amor, diversão e descontração. Minha personagem é a Rainha de sangue Lana'Thelpor ser Rainha e vampira achei perfeito pra mim, acho ela linda inclusive.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *