Entrevista com a Nayara Sylvestre

[mp_row custom_color=”#123456″ background_image=”http://naxxramas-invaders.site.com.br/wp-content/uploads/sites/207417/2018/01/314806.jpg” background_size=”cover” background_position=”50% 50%” background_repeat=”no-repeat” opacity=”100″ border_style=”border: 5px solid #DDDDDD; border-left:0; border-right:0;” margin_style=”margin-top: 20px; margin-bottom: 20px;” padding_style=”padding-top: 20px;padding-bottom: 20px;” ] [mp_span col=”12″ custom_color=”rgba(32, 18, 77, 0.78)” background_image=”” background_size=”cover” background_position=”50% 50%” background_repeat=”no-repeat” opacity=”100″ border_style=”border: 5px double #ccc;” padding_style=”padding: 20px;” ] [mp_text]

Entrevista com Nayara Sylvestre

“Saúdações Invasores…” eu sou o Lord Kel’Thuzad, os Invasores de Naxxramas trazem  hoje nossa  segunda entrevista, entre uma das importantes figuras da comunidade de Hearthstone aqui no Brasil, é com essa streamer muito maravilhosa que sempre ajuda a galera e trás muitas novidades a todos.

Pedro Juvenal –  O que você acha sobre campeonatos exclusivamente femininos no HS e o que você acha que a Blizzard poderia fazer pra atrair mais mulheres para o jogo?

 Acredito que eles sejam bons para incentivar cada vez mais mulheres a participarem do competitivo, pois é uma maneira de nós enquanto mulheres perdermos o “medo” de jogar campeonatos e receber algum tipo de bullying por conta do sexo. Não creio que tenha uma maneira exclusiva da Blizzard ou outras empresas de jogos incentivarem diretamente e somente as mulheres a jogarem mais. Acho que isso é uma atitude que tem que partir da comunidade no sentido de apoiar e incentivar mais as meninas que demonstram alguma vontade em querer jogar/ quando estiverem jogando.

Pedro Juvenal –  qual sua jogadora profissional de HS preferida? 

Como a pergunta anterior mesmo se referiu, não temos muitas garotas no competitivo. Mas creio que desde que comecei a jogar HS, acompanho o trabalho da Jia Dee, que é uma excelente jogadora, e assim como eu, também é caster.

Levi – qual sua expansão  favorita?

Acredito que foi Un’Goro, pois foi o momento em que mais precisávamos de um meta renovado, e foi o que aconteceu!

Leonardo  Turquenitch – Qual seu deck predileto e qual você acha o mais forte no momento?

O deck que mais gostei até hoje, era o Combo Druida, pois foi o primeiro deck que montei na época em que eu era f2p, então eu tenho um apego emocional. E o mais forte no momento, acredito que é o Sacerdote Razakus/ HighLander.

Tamires Santana – Nay, você teve alguma dificuldade em fazer parte do cenário de HS por ser mulher?

Na época em que eu comentei com meus amigos que eu achava que iria começar a streamar, todos incentivaram porque diziam que haviam poucas garotas e como eu sempre me dediquei a jogar razoavelmente bem, e sempre participei dos fóruns e procurava/procuro ajudar, gerar conteúdo e coisas do tipo, entendo que foi uma adição positiva a comunidade streamer de Hearthstone.

António  Carlos – O que você  acha da participação feminina no cenário competitivo?

Acho que 2018 será um bom ano para as garotas no competitivo, sinto que atualmente não somos muitas, mas que aos poucos – com o incentivo partindo da comunidade – iremos conseguir algum espaço. Como já ocorreu no campeonato da WESG no final do ano passado, onde uma organização com um nome tão grande no mercado de eSports entendeu que havia espaço para tal e decidiu por criar torneios destinados às mulheres.

António  Carlos – Quais são as 3 dicas que você  daria pra quem pretende jogar Hearthstone em nível Professional?

sempre estar atualizado com o meta acompanhar pro players em suas streams e twitter – que muita gente não sabe, mas é uma das, senão “a” rede social onde você pode conseguir o maior número de informações acerca do jogo. assistir campeonatos e tentar entender a linha de pensamento do porquê foi realizada determinada jogada.

Daykson de Sousa – Na sua opinião qual a mecânica ou deck mais quebrada atualmente no modo padrão?

Não acredito que haja uma mecânica super quebrada. Há situações em que simplesmente não há o que fazer, que é o casa do Keleseth turno dois com um ou dois passos furtivos. E também decks combos, como o cubelock quando consegue encaixar o cubo com o Demonarca ou quando o Sacerdote consegue abrir com Raza e Anduin, o Ceifador Sombrio em curva; mas ressaltando que não creio que sejam quebrados, e sim muito fortes.

Marcos Queiroz – Teve dificuldades  para chegar  a ser conhecida  nesse cenário que é o  Hs?  e pra quem ta começando  a  tentar ser criador de conteúdo  qual a dica que você  da?

Não diria dificuldades, diria que foi muita determinação, e acho que essa é o ponto chave para todos que desejam começar a gerar conteúdo. Primeiro ter amor ao que faz e depois ter muita determinação!  

Pedro Paulo – qual sugestões  você da para iniciantes?

Se você é um jogador f2p ou não quer investir muito no jogo, a dica é sempre fazer as missões diárias e com o prêmio delas, fazer muitas arenas para conseguir farmar pó, mais gold e cartas!  

Matheus Higo –O que você espera dos desenvolvedores do Hearthstone para o futuro? E como imagina que vai ser daqui a alguns anos o jogo?

O Hearthstone ainda é um jogo novo, e eu acompanho o cenário já há três anos, e a cada ano que passa a Blizzard me surpreende cada vez mais! Como ano passado com a implementação do HGG (Hearthstone Global Games) e este ano com todos as novidades e mudanças do cirquito HCT, pensando cada vez mais nos jogadores que querem viver disso, e claro, dando muito entretenimento para os casuiais/ amantes.   

Alex Oliveira  – Quais cartas você acha que vão para o Hall da fama?

Pra ser sincera eu não parei para pensar a respeito. Muitos falam sobre o bloco de gelo, embora os arquétipos de Mago Controle (que são quem mais usam), não estão em ascensão neste meta, então pode ser que ainda não seja dessa vez.  

Diego  Henrique  –  Por que  começou  a jogar HS? e o que te motivou  a jogar e criar conteúdos a respeito?

Comecei a jogar porque todas as pessoas do meu círculo de amizades estava jogando e eu não entendia sobre o que eles falavam, então decidi me inteirar e foi uma coisa muito louca haha porque simplesmente me apaixonei pelo jogo!  

Júnior de Souza – Como começou no HS? em quem se inspirou? como conheceu o jogo? imaginou chegar aonde chegou agora?

Desde o começo quem muito me ajudou foi o Loxodontes e o Coréia, eles me ajudaram a construir meus primeiros decks, a fazer pó das cartas que não estavam rodando e coisas do tipo! E quando paro e penso de onde vim, como tudo começou, nunca imaginei que um dia viveria disso.

“A equipe Naxxramas agradece a você  Nayara por ter aceitado a participar da nossa entrevista, e a todos os que mandaram suas pergntas.  Um grande abraço frio do flagelo para todos vocês, nos topamos por ai Invasor.”

[/mp_text] [/mp_span] [/mp_row]
Facebook Comments Box

Yato Marcos

Yato marcos um jogador que ama Hearthstone como um todo, e que tem total admiração pelo flagelo e tudo relacionado a ele.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *